Desenvolver e manter o controle postural estático e dinâmico principalmente na execução de movimentos de treinamento resistido requer eficiência dos músculos, afim de minimizar padrões compensatórias que, potencialmente, possam gerar lesões. Muitos treinadores ainda tem a visão unilateral que o desempenho ideal dos músculos seja apenas direcionado ao sistema muscular, evidências recentes têm sugerido uma relação intrínseca com vários sistemas, dentre eles: nervoso, muscular e sistema miofascial. Entender o importante papel destes três sistemas, faz-se de relevância para o desenvolvimento e manutenção do controle postural estático e dinâmico.

Este artigo tem o intuito de explorar o papel funcional do sistema miofascial, em destaque: as linhas superficiais e profunda.

Introdução

O treinamento resistido precisa ser proveitoso, mas primeiramente, requer o máximo de controle sobre a postura estática e principalmente no posicionamento dinâmico (movimento). Manter a integridade estrutural, o organismo depende do tecido conjuntivo – músculos, tendões, ligamentos, cápsulas articulares; além de ossos, vasos sanguíneos, tecido adiposo, e nervos. Quando visto de forma isolada, essas estruturas podem aparecer independentes umas das outras. No entanto, o que unifica todo sistema do tecido conjuntivo conhecemos como fáscia.

Embora ainda seja pouco explorada por muitos treinadores, em razão de um “simples” tecido conjuntivo, recentes pesquisas têm ganha destaque sobre a influência do sistema miofascial na saúde em geral, bem como participação efetiva no sistema postural e na produção de movimento no treinamento resistido. O alinhamento postural tem um importante papel para o desenvolvimento de movimentos eficientes. Compreender a função dinâmica e estática do sistema miofascial contribui estrategicamente para o desenvolvimento de uma periodização voltada para o treinamento resistido. A partir de agora vamos tentar compreender de maneira sucinta o papel do sistema miofascial.

 

Quais são as funções do sistema miofascial?

O sistema miofascial é uma parte integrada do nosso corpo. É capaz de participar de múltiplas funções sistêmicas, embora existam três pontos importantes que influenciam o sistema miofascial ao que se refere a postura e movimento. Estes serão descritos logo a baixo:

  • Linhas Miofasciais

Enquanto que o papel do sistema miofascial é, literalmente, revestir todos os sistemas e estruturas, as linhas têm como objetivo conectar músculos aos ossos, criando assim uma linha contínua de ligação por todo nosso corpo. Para entender melhor este conceito, Tomas Myers escreveu em seu livro a interligação de todas as regiões do corpo que estejam encarregadas de manter a postura na posição espacial e a importância de produzir o movimento de forma coordenada.

Além disso, as linhas podem transmitir e atenuar a força por todo corpo. Para uma melhor percepção das linhas miofasciais, compreenda uma analogia simples, os músculos seriam os condutores e as fáscias são responsáveis por direcionar as forças por todo o corpo. Por exemplo, uma força gerada através da extremidade inferior pode ser conduzida através dos músculos do tronco e se entregue de forma potente até chegar extremidade superior.

  • Tensegridade

 Já discutimos este termo no artigo da biomecânica através da tensegridade, no qual descreve simplesmente as tensões que interferem na integridade estrutural do corpo. Assim, uma estrutura que possui tensegridade é adaptável e resistente à deformação. O corpo humano é uma estrutura de tensegridade, cujo o sistema miofascial serve para gerar tensão e conectar os ossos. Quando funciona perfeitamente, o sistema miofascial trabalha no posicionamento vertical, mantendo a tensão e integridade sistêmica. Especificamente na manutenção da postura ereta, dos movimentos suaves e coordenados. Manter a postura ereta é a combinação do movimento harmônico, sob um gasto mínimo de energia e sem nenhuma compensação, para tornar o sistema corporal eficiente.

Quando tensegridade está comprometida, podem ocasionar compensações que levam a ineficiência do controle de movimento, que causam alterações posturais e desequilíbrios musculares, que a curto e longo prazo são responsáveis pelo desenvolvimento de lesões.

  • Sistema sensorial

Através de elementos sensoriais e contráteis, a fáscia exerce influência direta sobre postura e movimento. A fáscia tem exercido um importante papel para a transmissão de informação entre o sistema nervoso central e o posicionamento do corpo estático e dinâmico.  Isto se deve a presença de miofibrilas, elementos contráteis localizados no interior da fáscia, que permite fáscia responda aos estímulos de tensão e tração muscular e possa redirecionar o estresse ao longo das diferentes linhas fasciais.

As linhas superficiais e profunda:

Os músculos não passariam de uma “carne moída” se não houvesse a existência das fáscias circundando, revestindo e inserindo. As linhas miofasciais estão divididas em nove: Linha superficial Posterior, Linha Superficial Anterior, Linha Lateral, Linha Espiral, Linha Profunda Anterior, Linhas Anteriores do Braço, Linhas Posteriores do Braço, Linhas Funcional Anterior e Linha Funcional Posterior.

A partir de agora, vamos aprender um pouco sobre três linhas:

  • Linha Profunda Anterior

A linha Profunda Anterior (LPA) é constituída pelos músculos da camada mais profunda do corpo humano, que não só revestem os próprios músculos, mas também se misturam com o sistema ligamentar. Isso permite que a LPA a capacidade de exercer controle específico sobre o posicionamento espacial e durante o movimento. Muitos estudiosos à chamam de verdadeiro “core”.

Investigações demonstraram que os músculos mais profundos que compõem a LPA, incluindo o transverso abdominal, multífidus, assoalho pélvico e diafragma funcionam de maneira conjunta. Em outras palavras, esses músculos precisam estar fortes para poder proporcionar estabilização necessária, pois a LPA cria um ponto de ancoragem solida para apoiar o movimento desde um ponto proximal até o ponto distal dentro da cadeia cinética. Por isso, o diafragma é um músculo importante localizado dentro da cavidade torácica, com três pontos de origem (esternal, costal e lombar) no apêndice xifóide, costelas 7-12, e vértebras lombares superior. O diafragma facilmente fornece estabilidade ao transverso abdominal, psoas, quadrado lombar, e multífidus para proporcionar equilíbrio de todo o tronco (tórax, coluna lombar e pelve) imagem 1. O desenvolvimento e a manutenção de respiração tridimensional vai ser uma importante estratégia para ativar a LPA o desenvolvimento da pressão interna que é necessário para ajudar a estabilizar o segmento toracolombar e, posteriormente, recuperar e / ou manter a postura estática e otimizar no movimento dinâmico.

  • Linha Superficial Posterior

A linha superficial posterior é responsável por conectar toda a superfície posterior do corpo, da planta do pé ao topo da cabeça em dois segmentos – dos dedos pés aos joelhos e dos joelhos à cabeça. A função postural da LSP é dar apoio ao corpo em extensão completa, prevenindo a tendência de se curvar em flexão. A principal função durante o movimento é proporcionar a extensão e a hiperextensão.

  • Linha Superficial Anterior

A linha superficial anterior conecta toda superfície anterior do corpo, do dorso do pé até a região lateral do crânio, em duas partes, dedos dos pés a pelve e deste a cabeça. A função postural global da LSA é equilibrar a LSP, no entanto a LSA também mantém a extensão postural dos joelhos. A força elástica da LSA também tem capacidade de protege as vísceras na cavidade ventral. Como parte complementar, a maioria dos casos que apresentam alterações posturais a força exercida pela LSA tende a direcionar-se o corpo para baixo, em contrapartida, a LSP tende a direcionar-se para cima. A função do movimento da LSA é produzir flexão do tronco e do quadril, extensão dos joelhos e dorsiflexão dos pés.

Conclusão

Este artigo foi discutido o papel funcional da fáscia destacando especificamente a sua contribuição para o desenvolvimento de postura e no movimento. Como parte os sistemas superficiais e profunda, dessa maneira o sistema fascial é capaz de conectar diferentes regiões do corpo que fornecem suporte, comunicação e proteção para manter ativa a estratégia postural e produção de movimentos no treinamento resistido de forma eficiente. No entanto, quando há alguma inibição do sistema miofascial, o indivíduo irá adota movimentos compensatórios aumentando atividade miofascial. Esse desequilíbrio altera alinhamento articular, contribuindo diretamente para muitos problemas posturais comuns e padrões alterados de movimento. Gradualmente, esses problemas posturais e padrões alterados de movimento se manifestam como restrições crônicas miofasciais (tensões), degeneração articular e / ou dor.

Para desenvolver postural ideal e maior controle de movimento, é relevante que um programa de treinamento seja adequado para restaurar o equilíbrio dos sistemas miofasciais, destinado especificamente ao controle funcional da postura estática e dinâmica.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *