Distúrbios musculoesqueléticos afeta diretamente os sistemas do corpo humano, especialmente nos ossos, discos espinhais, tendões, articulações, ligamentos, cartilagens, nervos e veias. Tais lesões podem resultar de movimentos repetitivos, forças e vibrações no corpo humano durante a execução de determinadas atividades profissionais. Lesões anteriores, condição física, hereditariedade, gravidez, estilo de vida, alterações posturais, e má alimentação são os fatores que contribuem para o aparecimento dos sintomas.

Os sintomas dos distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho podem ser observados nos locais de trabalho quando há uma discrepância entre a capacidade física do corpo humano e os requisitos físicos de tarefa. Os distúrbios musculoesqueleticos podem estar relacionados às atividades e condições de trabalho e podem contribuir significativamente para o desenvolvimento de distúrbios osteomusculares. No entanto, essas não são necessariamente as únicas causas ou fatores de risco significativos.

A Organização Mundial da Saúde reconhece condições que resultam em dor e comprometimento funcional que afetam o pescoço, ombros, cotovelos, antebraços, pulsos e mãos como relacionadas ao trabalho quando as atividades e condições de trabalho contribuem significativamente para o desenvolvimento de distúrbios relacionados ao trabalho.

PESSOAL

Estrutural

•                    Fatores genéticos

•                    Características antropométricas

•                    Fatores individuais

 

Sintomas

•                    Deformação biomecânica

•                    Fadiga

•                    Desconforto

 

Frequência dos Sintomas

Histórico Médico Pessoa

TRABALHO

Ambiente de trabalho

•                    Uso de equipamentos / dispositivos

•                    Tarefas de trabalho

•                    Cargas internas

•                    Resposta psicológica

•                    Duração do trabalho

 

Ambiente Psicossocial de Trabalho

•                    Cargas externas

•                    Fatos organizacionais

•                    Suporte social

•                    Perfil psicológico

 

Design da estação de trabalho

 

DISTÚRBIOS MUSCULOESQUELÉTICOS RELACIONADOS AO TRABALHO

 

Os distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho são descritos como uma ampla gama de condições degenerativas e inflamatórias que afetam os vasos sanguíneos, nervos periféricos, articulações, ligamentos, tendões e músculos. Tais condições podem resultar em comprometimento funcional e dor amplamente experimentada nas extremidades superiores e no pescoço.

No local de trabalho, as causas desses distúrbios são diversas, mas pouco compreendidas. Alguns autores  afirmaram que fatores biomecânicos, como movimentos repetitivos, esforços extenuantes, posturas extremas das articulações e/ou fatores psicossociais, estabelecem o papel principal nos distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho. Em contrapartida, sabe-se que certos fatores psicológicos estejam associados ao desconforto musculoesquelético e, eventualmente, forneçam uma maneira de intervir para reduzir as causas destes distúrbios. Este artigo tem como o objetivo analisar a ergonomia, administração da saúde e segurança ocupacional, impacto econômico, prevalência, intervenção e prevenção.

FATORES DE RISCOS 

A literatura divide as causas comuns e os sintomas relacionados ao trabalho em duas categorias: físico, psicossociais e psicológicos.

1 Fatores físicos

Isso inclui esforços intensos, repetidos ou sustentados; posturas viciosas, não neutras e extremas; ritmo de trabalho rápido; atividade repetida e / ou prolongada; tempo insuficiente para recuperação, e temperaturas frias.

1.1 Posturas inadequadas

Os músculos e articulações envolvidos em uma atividade e a quantidade de estresse ou força tolerada ou gerada são determinados pela postura do corpo devido ao fato de que, à medida que as costas se dobram, há mais estresse exercido nos discos da coluna vertebral durante o levantamento, manuseio ou movimentação de objetos, do que quando as costas estão retas. As tarefas que exigem torção ou flexão contínua ou repetida dos ombros, pulsos, quadris e joelhos também aumentam o estresse nas articulações. Portanto, atividades de trabalho prolongadas ou frequentes podem ser muito estressantes.

1.2 Movimentos repetitivos

Movimentos repetidos com frequência  e períodos prolongados podem acabar com tensão e fadiga acumuladas nos tendões musculares. Se o tempo alocado entre os esforços for suficiente, os músculos e tendões podem recuperar de esforços e efeitos de alongamento. Durante posturas inadequadas e esforços extenuantes, o impacto de movimentos repetitivos devido à realização das mesmas atividades de trabalho pode ser aumentado. Fatores de risco, como ações repetitivas, também podem depender do ato específico realizado e da área corporal.

1.3 Duração

A quantidade de tempo que alguém é continuamente exposto a um fator de risco é chamada duração. As tarefas do trabalho que exigem o uso dos mesmos movimentos ou músculos por longos períodos aumentam a probabilidade de fadiga geral e local. Geralmente, se o período do trabalho contínuo aumentar (para as tarefas exigirem contração muscular prolongada), é necessário mais período de descanso ou recuperação.

1.4 Frequência

Dentro de um determinado período de tempo, o número de esforços repetidos por uma pessoa é definido como frequência. De fato, se o esforço é repetido com mais frequência, a velocidade do movimento da parte exercida do corpo aumenta. Além disso, o período de recuperação diminui quando um esforço mais frequente é concluído, e isso aumenta a probabilidade de fadiga geral e local com a duração.

2 Fatores psicossociais

Os distúrbios musculoesqueléticos não resultam apenas em estímulos estressores físicos. No entanto, um conjunto de múltiplos fatores determina a formação. Esses fatores relacionam com o trabalho estressante, pressão social, insatisfações pessoais e profissionais são que normalmente contribuem para esses distúrbios. Quando ocorre uma lesão, os fatores psicossociais, como a dor incongruente e depressão, são as principais razões para o desenvolvimento de uma incapacidade e a transição da dor aguda para crônica.

Isso inclui uma rotina de trabalho monótona, pressão, alta demanda, sem horários de descansos ou desorganizados, complexidade de tarefas, preocupações com a carreira, falta de apoio, mau relacionamento entre colegas de trabalho e supervisões, características organizacionais ruins e etc.

A maneira de estruturar e gerenciar esses processos pode-se chamar de organização do trabalho e trada dos seguintes aspectos:

  • Programação de trabalho (horário de descanso, horário e turno);
  • Complexidade da tarefa (esforços, habilidades necessárias e grau de autocontrole);
  • Relações interpessoais (relacionamento com colegas, subordinados e supervisores);
  • Preocupações com a carreira (segurança no emprego e oportunidades de crescimento);
  • Estilo de gestão (trabalho em equipe e gestão participativa);
  • Características organizacionais (comunicação, cultura e clima);

Muitos dos componentes acima são chamados de fatores psicossociais e são conhecidos como fatores de riscos para tensão psicológica de estresse no trabalho. O estresse é uma reação emocional e física concebida pelo corpo humano a eventos ou circunstancias que causam excitação, perigo, confusão, irritação ou medo. Particularmente, é uma transição do comportamento normal de alguém de acordo com uma causa que resulta em desgaste dos recursos mentais ou físicos.

Existem vários estímulos internos ou externos que causam estresse. Os estímulos internos são aqueles estressores que envolvem auto expectativas, barreiras impessoais e desejos conflitantes. Aparentemente, estímulos internos dependem de aspectos pessoais. No entanto, estímulos externos incluem situações em que expectativas, prazos, faltam de recursos, visão e objetivos estão presentes.

Os estressores podem ser fisiológicos, psicológicos, sociais, ambientais, de desenvolvimento, espirituais ou culturais e representam necessidades não atendidas. O estresse causa alterações no corpo que geralmente são centralizadas no sistema nervoso e no sistema endócrino.

Portanto, o ambiente interno do corpo está constantemente mudando e os mecanismos adaptativos do corpo funcionam continuamente para ajustes na frequência cardíaca, respiratória, pressão arterial, temperatura, equilíbrio de líquidos e eletrólitos, secreções hormonais e nível de consciência.

O estresse intensivo e extensivo resulta em distúrbios no sistema musculoesquelético. Emoções como raiva, frustração, irritação, confusão, tensão e nervosismo causam estresse. Não é apenas a experiência e a frequência de tais sentimentos, mas também a repetição das atividades e movimentos que induzem lesões ou distúrbios musculoesqueléticos.

Ao considerar as emoções e sentimentos humanos que resultam em impacto no sistema musculoesquelético, é plausível afirmar que quanto maior o conhecimento e a compreensão do ser humano, melhor o resultado obtido. Para identificar e compreendermos os efeitos das emoções no sistema musculoesquelético, precisamos reconhecer quais são fatores importantes de risco para distúrbios musculoesqueléticos.

3 Fatores de risco psicológicos

Além disso, juntamente com as condições acima, alguns outros aspectos do trabalho também contribuem para o estresse físico e psicológico. De fato, o corpo humano é limitado em movimentos cinemáticos, pois é, um mecanismo formado por características biológicas. Além disso, também inclui um cérebro que pensa, raciocina e sente. Assim, os sentimentos como alegria, dor, raiva, tristeza, depressão, frustração, indignação, tédio, medo, ciúme, ódio, amor e (até) esquizofrenia são vivenciados pelos seres humanos.

Quando expostos ao estresse, os seres humanos mostram respostas como medo, frustração, raiva, fadiga, tensão, depressão, ansiedade, desamparo, confusão e falta de vigor.

 

Tipos comuns de distúrbios musculoesqueléticos ocupacionais

Tendinite: é o problema mais comum das mãos, que ocorre quando os tendões que conectam os dedos aos músculos dos antebraços ficam inflamados. Os tendões ajudam a anexar músculo ao osso para permitir o movimento de uma articulação.

Tenossinovite: essa é outra doença comum, onde as bainhas sinoviais (sacos cheios de líquido) incham e circundam e protegem os tendões. A síndrome do túnel do carpo (STC) é a condição resultante desse inchaço. O túnel do carpo é uma pequena abertura perto da parte inferior da mão que acomoda os tendões e o nervo mediano que fornece sensação à mão. No caso de inchaço das bainhas sinoviais, o túnel do carpo se contrai e pressiona o nervo. Existem várias síndromes da STC, mas as mais frequentes são dormência, formigamento ou sensação de queimação nas palmas das mãos, dedos e pulsos. Essas condições podem levar à perda de força e sensação nas mãos no tempo

Compressão nervosa: em todo o corpo, existem vários nervos que transmitem sinais das partes do corpo para o cérebro. Estes frequentemente se movem na coluna vertebral através de pequenos túneis disponíveis entre as vértebras. Existem muitas condições que causam compressão, aperto ou compressão dos nervos, o que pode resultar em fraqueza, dormência, dor intensa e perda de coordenação. A condição na qual o nervo ciático na coluna se comprime é conhecida como ciática. Os sintomas dessa condição aparecem na parte de trás da perna e na lateral do pé.

Síndrome/doença de Raynaud: é uma perda de circulação sanguínea, que resulta em embranquecimento e dormência. Às vezes é chamado de “dedo branco”, “dedo de cera” ou “dedo morto” .

Distrofia simpática reflexa: é uma condição rara e incurável, caracterizada por algemas, mãos inchadas e perda de controle muscular. É consistentemente doloroso.

Cisto ganglionar: esse distúrbio surge quando um inchaço ou caroço no pulso resultante de substância gelatinosa vaza de uma articulação ou bainha do tendão.

Radiculopatia cervical: esta é a condição de uma lesão devido ao prolongamento dos nervos que fornecem sensação e desencadeiam movimentos das vértebras cervicais que resultam em fraqueza, dormência ou dor na mão, punho, braço ou ombro.

Epicondilite lateral: é uma condição em que a parte externa do cotovelo se torna dolorosa e dolorida, geralmente como resultado de uma tensão específica, uso excessivo ou impacto direto .

Artrite reumatoide: é uma doença autoimune incapacitante que é progressiva e ocorre em longo prazo. Causa dor, inchaço e inflamação nas articulações e em outros órgãos do corpo. As mãos e os pés são afetados principalmente, mas também podem ser vistos em qualquer articulação. Geralmente ocorrem nas mesmas articulações dos dois lados do corpo.

Intervenção e prevenção

A Agência Internacional para a Segurança e Saúde no Trabalho sugere intervenções baseadas em estudos comparativos randomizados e não randomizados no local de trabalho. Trabalho fisicamente exigente às evidencia ainda são limitadas para mostrar que os distúrbios nas regiões do pescoço e ombro podem ser reduzidos quando existe redução de horas de trabalho (de 7 para 6 horas).

Além disso, foi demonstrado que, sem perda de produtividade, é possível introduzir pausas extras no trabalho repetitivo. No entanto, os métodos aplicados impedem a ocorrência de distúrbios musculoesqueléticos efetivamente não são claros e ainda precisam ser mais estudados.

Equipamento de proteção. Não está claro se o uso de cintos nas costas ajuda ou prejudica a dor nas costas. Não foi possível comprovar cientificamente que o uso de cinturão possa prevenir dores nas costas durante o manuseio materiais pesados. Além disso, não há evidências sobre a prevenção de distúrbios nos membros superiores usando outros equipamentos de proteção.

Modificação comportamental. É amplamente discutida na literatura que a variabilidade de estímulos motores deve ser realizada para reduzir e prevenir as dores nas costas.  É inquestionável que os benefícios do treinamento físico que envolva mobilidade, alongamento, e exercícios de fortalecimento, que devem ser repetidos três vezes por semana, pelo menos, para serem eficazes.

Conclusão

As lesões ocupacionais apresentam problemas de saúde e perda de produtividade em locais de trabalho onde as pessoas estão envolvidas em ações intensivas, repetitivas, e longas horas de trabalho. Assim, é preciso que haja intervenções com exercício físico no local de trabalho para reduzir os distúrbios musculoesqueléticos e aumentar a produtividade perdida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Name *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.